Dicas para alimentar o rebanho bovino na seca

“As pastagens são a base da alimentação do rebanho bovino, pois fornecem fibra fundamental para o bom funcionamento do trato gastrintestinal dos animais. Além disso, elas são uma das opções nutritivas de menor custo para o pecuarista. As variações climáticas, como a seca e o inverno, impedem a produção de forragem em quantidade e qualidade adequadas”, afirma Juliano Ricardo Resende, especialista em bovinocultura leiteira e professor do Curso CPT a Distância e Online Produção e Utilização de Silagem.

Por esse motivo, os pecuaristas usam como alternativa o fornecimento de alimentação volumosa suplementar. Nesse contexto, a silagem se destaca, contanto que seja produzida com as mais diversas espécies forrageiras e baixos custos. No Brasil, silagens de milho, sorgo, feno e cana-de-açúcar são as mais utilizadas em períodos de estiagem. Entretanto, é indispensável analisar os níveis de proteína e energia desses alimentos.

Quando as forrageiras não apresentam os nutrientes necessários ao bom desenvolvimento dos bovinos, eles podem perder peso de forma significativa, além de terem o seu desempenho produtivo comprometido, seja para produção de carne seja para produção de leite. No caso da cana, além de se adaptar às mais variadas regiões do país, ela é utilizada por apresentar alto teor de açúcar, que garante maior energia ao gado.

Não apenas a silagem é uma boa alternativa de alimento para o rebanho bovino na seca. A técnica feno em pé, na qual metade do pasto é vedado para uso específico no período de estiagem, também é vantajosa. Quando realizada corretamente, ela proporciona pasto em quantidade suficiente para o gado, com alto valor nutritivo. Outra opção para períodos com escassez de chuva é o uso de forrageiras resistentes à seca, como sorgo forrageiro e milheto.

Conheça os Cursos CPT a Distância e Online da Área Pastagens e Alimentação Animal.

Leia o artigo "Como alimentar o gado na seca?"

Fontes: dicas.boisaude.com.br; revistaagropecuaria.com.br

Por Andréa Oliveira.

Mais Artigos Relacionados

Acabamento da carcaça em bovinos

Na pecuária de corte, durante o abate, avalia-se a gordura distribuída na carcaça do bovino para proceder à sua tipificação. O objetivo principal é alcançar maior aproveitamento, padronização e uniformidade das carcaças do lote. Quando a musculatura dos bovinos é bem desenvolvida e com bom acabamento de gordura, significa que eles produzirão carne de qualidade.

Gado de corte: tipos de confinamento e cerca ideal

No confinamento de gado de corte, os bovinos são separados em lotes e distribuídos em piquetes ou currais de terminação. Geralmente, essa prática pecuária é adotada no período de estiagem, momento em que o pasto perde a qualidade nutricional. Os sistemas mais comuns são o confinamento em galpão fechado, o confinamento a céu aberto e o confinamento parcialmente coberto.

Ganho de peso de bovinos de corte em confinamento

Os bovinos de corte em confinamento devem ser sadios, com bom desenvolvimento corporal e elevado potencial de ganho de peso. O ganho de peso dos bovinos de corte apresenta particularidades conforme a raça. Enquanto algumas raças apresentam mais massa muscular; outras apresentam maior volume de gordura.