4 importantes etapas da transferência de embriões em bovinos

A transferência de embriões remove embriões do trato reprodutivo da fêmea doadora e os transfere para fêmeas receptoras. “Trata-se de uma importante ferramenta para incremento da oferta de material genético melhorado, capaz de colaborar com a multiplicação do rebanho geneticamente superior, facilitando sua disseminação”, explica José Olavo Borges Mendes Júnior, professor do Curso CPT Transferência de Embriões e Fertilização in Vitro.

4 importantes etapas da transferência de embriões em bovinos

Seleção da vaca doadora


Deve-se selecionar uma vaca doadora com genética superior. Como critérios para a seleção, são escolhidas vacas jovens, com ciclos regulares, que tenham parido, no máximo, duas crias por concepção. Além disso, elas não devem ter apresentado nenhum problema ao parto nem distúrbios reprodutivos.

Da mesma forma, não devem apresentar problemas genéticos, inclusive os de conformação. Sem falar que suas condições corporais devem estar propícias quando forem submetidas à transferência embrionária.

Coleta dos embriões


A coleta de embriões é realizada com o auxílio de um estilete esterilizado, firmado no lúmen do cateter, para a passagem pelo colo do útero até o interior do corpo uterino. Nesse local, preenche-se lentamente o manguito, com 2 mililitros de solução salina, e puxa-se o cateter para assentar o manguito no orifício interno do colo uterino. Em seguida, adicione-se mais solução salina para fechar o orifício interno do colo.

Conforme o tamanho do útero da vaca doadora, preenche-se e esvazia-se o colo uterino, de cinco a dez vezes, com 30 a 200 mililitros de solução, que lava e coleta os embriões, que são acondicionados em um filtro com solução fluida.

Avaliação dos embriões


A avaliação dos embriões considera a sua qualidade e o seu potencial de sucesso quando transferidos para uma fêmea receptora. Como critérios, são considerados: o diâmetro total do embrião, a fase de desenvolvimento e a regularidade da forma, além da compacidade dos blastômeros. Fora a cor e a textura do citoplasma e a variação no tamanho da célula.

Da mesma forma, são verificadas: a presença de vesículas no citoplasma e células extrusadas, além da regularidade da zona pelúcida ao redor do embrião. Em seguida, eles são classificados como excelente, bom, justo, pobre, morto ou em degeneração.

Transferência dos embriões


Para a transferência do embrião selecionado, utiliza-se um microscópio, que favorece o seu carregamento, em uma palha de inseminação, de 1 mililitro a 4 mililitros, com o uso de uma seringa de 1 mililitro. Antes disso, a vaca receptora tem seus ovários palpados (via retal) para identificação do ovário que ovulou.

Depois, a vulva da vaca receptora é mantida aberta para que a haste de inseminação consiga passar pelo colo uterino. Essa haste desliza, em direção ao ovário com corpo lúteo ativo, para que o embrião seja depositado no corno uterino. Essa transferência embrionária leva cerca de 8 horas.

Conheça os Cursos CPT da Área Gado de Corte:

Transferência de Embriões e Fertilização in Vitro

Inseminação Artificial em Bovinos - Convencional e em Tempo Fixo

Melhoramento Genético de Gado de Corte

Fonte: Tecnologia no Campo

Por Andréa Oliveira

Mais Artigos Relacionados

Quais os benefícios da descorna em bezerros?

São vários os benefícios da descorna em bezerros, como torná-los mais dóceis e, consequentemente facilitar o manejo, além de reduzir o índice de acidentes na lida com os animais. Na mochação, garantem-se o bem-estar do bovino e a segurança do vaqueiro, ou responsável por manejar o animal. Mas ela deve ser deve ser realizada em bovinos jovens com até 30 dias de vida.

4 importantes etapas da transferência de embriões em bovinos

A transferência de embriões remove embriões do trato reprodutivo da fêmea doadora e os transfere para fêmeas receptoras. Trata-se de uma importante ferramenta para incremento da oferta de material genético melhorado, capaz de colaborar com a multiplicação do rebanho, geneticamente superior, facilitando sua disseminação.

Saiba mais sobre a raça bovina Angus

A raça bovina Angus é escocesa e vem do cruzamento entre as fêmeas e os machos da linhagem Aberdeen Angus. O registro oficial da raça remonta a 1860, sendo, portanto, um dos bovídeos mais antigos dentre tantos outros. No Brasil, mais especificamente em Bagé (Rio Grande do Sul), o Angus foi introduzido na pecuária de corte em 1906.