O perigo da Raiva em cavalos

A raiva é uma doença de clima tropical e de alta população que acomete a maioria dos mamíferos silvestres. A transmissão acontece por meio da mordida de animais silvestres infectados ou pela inalação de gotículas via oral ou transplacentária.



Os sinais clínicos da raiva são muito variados, abrangendo desde uma simples claudicação até sinais nervosos característicos de doenças neurológicas.



Ela pode ser apresentada de três formas:


• Raiva nervosa ou furiosa: os animais ficam extremamente agitados e agressivos, menos comum em equinos;
• Raiva obscura ou depressiva: os animais ficam depressivos e apresentam todos os sinais de uma doença neurológica comum, como ataxia, andar em círculos, convulsões, recostar a cabeça contra obstáculos, entre outros;
• Raiva paralítica: os animais se comportam normalmente, mas não conseguem se movimentar.



A raiva não possui tratamento, apenas o isolamento do animal até sua morte. Entretanto, como profilaxia, existem vacinas inativadas, de modo que a primeira dose deve ser administrada de 4 a 6 meses de idade, com revacinação em 30 dias. Depois, a revacinação é anual.

 

Gostou dessa matéria? Quer saber mais sobre os cursos CPT? Assista ao vídeo abaixo: 

  

Conheça os Cursos CPT da área Criação de Cavalos

Por Anna Luiza Mariquito

Mais Artigos Relacionados

Critérios para sistema de aleitamento de bezerros

Existem diferentes formas de fornecimento do leite para as bezerras, os quais podem ser classificadas em dois grandes grupos: aleitamento artificial e aleitamento natural.

Recria de cordeiros

Nessa fase, os animais iniciam o consumo de alimentos sólidos. O objetivo da recria é melhorar a condição corporal dos animais para a reprodução, de acordo com a finalidade da criação.

Por que é tão importante que a vaca leiteira tenha conforto

O bem estar e a produtividade animal podem ser colocados em situação de risco devido a ação dos fatores ambientais que influenciam o comportamento animal.